skip to Main Content

ACMC comemora volta de Mogi para a fase amarela do Plano São Paulo

Medida garante a ampliação do horário de funcionamento do comércio

A reclassificação do Alto Tietê para a fase amarela no Plano São Paulo foi recebida com alívio pela ACMC – Associação Comercial de Mogi das Cruzes. A medida anunciada hoje pelo governo estadual amplia, a partir de segunda-feira, o horário de funcionamento do setor de comércio e serviços. Um pacote de crédito no valor de R$ 125 milhões, bem como a renegociação de dívidas e a suspensão de cortes de água e gás, também foram divulgadas pelo Estado.

A fase amarela do Plano São Paulo estabelece que o comércio, serviços e shoppings operem com 40% da capacidade, com horário limitado a 12 horas diárias até 22 horas. O limite de ocupação também vale para bares e restaurantes que podem ter consumo local, no entanto, o horário permitido é de até 10 horas por dia, sendo até às 22 horas para os restaurantes e até às 20 horas para bares.

Nesta fase, eventos e convenções estão liberados, com tanto que respeitem o limite de 40% de ocupação, controle de acesso, hora e assentos marcados. Teatros, cinemas e museus também podem permanecer abertos.

Para a presidente da ACMC. Fádua Sleiman, a inclusão da cidade na fase amarela e a suspensão da fase mais restritiva, que impedia o funcionamento de alguns estabelecimentos comerciais depois das 20 horas e aos fins de semana, traz certo conforto para o setor. “O comércio vem seguindo à risca as recomendações sanitárias para garantir a segurança dos clientes e colaboradores e não é justo que seja ainda mais penalizado do que já foi. Defendemos, ainda, a vacinação em massa da população, pois, assim poderemos retomar a normalidade”, ressalta.

Após pedidos do setor de comércio, o governo também criou um pacote de crédito a juros baixos que será liberado por meio do Banco Desenvolve São Paulo e o Banco do Povo para as áreas de turismo, eventos, comércio e gastronomia. Outro anúncio foi a suspensão, pelo período de 90 dias, de protestos inscritos em dívida ativa. O corte do serviço de gás e água, no caso de contratos com a Sabesp, também foi suspenso. Os comerciantes que estão com algum tipo de débito com as empresas de serviços de consumo podem renegociar as dívidas em até 12 meses.

É fundamental esse apoio para minimizar as dificuldades e auxiliar na preservação dos negócios, evitando que mais empresas fechem as portas”, conclui a presidente da ACMC.