skip to Main Content

ACMC e Sincomércio conquistam bolsões de drive-thru para centros comerciais

Vagas exclusivas para retirada de produtos serão implantadas inicialmente no Centro, Brás Cubas, César de Souza e Jundiapeba

A Associação Comercial de Mogi das Cruzes (ACMC) e o Sindicato do Comércio Varejista de Mogi e Região (Sincomércio) conquistaram a implantação de bolsões de drive-thru nas principais ruas dos centros comerciais da cidade. As áreas exclusivas foram propostas durante reunião das entidades com o prefeito Caio Cunha e o secretário de Desenvolvimento, Gabriel Bastianelli na tarde desta quinta-feira (11/03). No encontro foram debatidas ações para minimizar os impactos da implantação da fase emergencial do Plano São Paulo, anunciada um pouco mais cedo.

Os bolsões de drive-thru serão implantados nas ruas Paulo Frontin, Professor Flaviano de Melo e Capitão Manoel Rudge, na região central, nas ruas Doutor Deodato Wertheimer e Thuller, em Brás Cubas. Outros endereços em César de Souza e Jundiapeba serão divulgados nos próximos dias.

A criação das áreas exclusivas é uma forma de minimizar os impactos da nova reclassificação do Plano São Paulo, que proibiu a retirada presencial de produtos em estabelecimentos comerciais, incluindo alimentos. O serviço de drive-thru está permitido entre às 5h e 20h. Já o delivery para restaurantes e outros comércios pode ocorrer durante 24 horas. No período, as lojas de material de construção devem permanecer fechadas.

Para a presidente da ACMC, Fádua Sleiman, a iniciativa colabora para que os comerciantes não sejam ainda mais impactados pela reclassificação. “Os bolsões são uma maneira dos comerciantes conseguirem continuar vendendo, pois nem todos tem o delivery ou tem como investir no serviço neste momento. Para os clientes, é uma forma confortável e segura de fazer suas compras”, destaca.

O presidente do Sincomércio, Valterli Martinez, ressalta que este é o momento do comércio se unir ainda mais. “Agora não é a hora de buscar culpados, e sim de trabalhar e tentar arrumar este problema, otimizar estas ferramentas que serão disponibilizadas, além de reforçar as campanhas para as pessoas comprarem em Mogi”, acrescenta.

A fase emergencial terá início na segunda-feira, dia 15 e seguirá até o dia 30. Com o objetivo de reduzir as aglomerações no transporte público, o Governo Estadual recomenda o escalonamento do horário de entrada dos funcionários, nos quais, a indústria das 5h às 7h, serviço das 7h às 9h e comércio das 9h às 11h. O tele-trabalho passa a ser obrigatório para escritórios de serviços não essenciais, incluindo órgãos públicos.

A implantação da fase emergencial não altera o funcionamento dos estabelecimentos essenciais, como farmácias, supermercados e postos de combustíveis, que podem continuar operando normalmente. Foi instalado ainda, o toque de recolher entre às 20h e 5h. A nova reclassificação do Plano São Paulo prevê restrições para 14 atividades, o que restringirá a circulação de 4 milhões de pessoas. A Prefeitura de Mogi deverá publicar um decreto seguindo as determinações estaduais.

Foto: Ney Sarmento/PMMC