skip to Main Content

Comércio mogiano ganhou 280 novos estabelecimentos no primeiro semestre

Dado marca recuperação do setor e demonstra a importância do trabalho dos comerciantes para a retomada econômica

No primeiro semestre deste ano, Mogi das Cruzes ganhou 280 novos comércios, nos quais 230 do ramo varejista e 50 do atacadista. É como se a cada mês fossem abertos cerca de 46 novos negócios na cidade. Os dados são da Junta Comercial do Estado de São Paulo (Jucesp). O comércio, um dos principais segmentos econômicos, e mais afetado pela pandemia de Covid-19, tem apresentado bons resultados. Com isso, existem ainda mais motivos para celebrar o Dia do Comerciante, lembrado neste sábado (16).
“A profissão de comerciante é uma das mais antigas do mundo. Eles exercem um importante papel social, gerando emprego, renda e impostos, além de abastecer a população com produtos essenciais. A pandemia de Covid-19 foi o período mais desafiador para o setor que teve que fechar suas portas e se reinventar, e ainda hoje enfrenta as sequelas da crise sanitária. O segmento é uma das peças fundamentais para a recuperação econômica”, destacou a presidente da Associação Comercial de Mogi das Cruzes (ACMC), Fádua Sleiman.
A pesquisa de Intenção de Consumo das Famílias (ICF), realizada pela Confederação Nacional de Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) mostrou um crescimento pelo sexto mês consecutivo, alcançando o patamar de 80,2 pontos em junho. Esse é o melhor resultado para o mês nos últimos dois anos. No primeiro semestre, a alta na intenção de consumo foi de 10,1%. Já o Índice de Confiança do Empresário do Comércio (Icec), medido pela CNC, avançou pelo terceiro mês seguido em junho chegando a 122,4 pontos, maior nível desde março de 2020.

“A inflação e os juros altos ainda têm impactado nos resultados do comércio, mas parte do avanço do setor se deve a liberação de recursos de suporte à renda e a melhoria no nível de emprego, que também foi sentida pelo segmento”, acrescentou Fádua.
Segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), nos cinco primeiros meses de 2022, o comércio fechou com saldo positivo de 228 postos de trabalho. No período, foram criadas 1.109 oportunidades de trabalho contra 881 desligamentos. Em Mogi, o número absoluto de vagas geradas pelo comércio é de 22.376, o que coloca o segmento na segunda posição em geração de empregos entre os setores econômicos, perdendo apenas para serviços.
A presidente da ACMC ressaltou a importância do trabalho dos comerciantes para o desenvolvimento de Mogi e Região. “Mogi é um polo comercial que se expandiu muito nos últimos anos. Hoje, temos importantes distritos comerciais e a valorização do comércio local, um movimento que ganhou força durante a pandemia. Nosso comércio é conhecido pela tradição, qualidade, variedade, e agora também pela tecnologia. Os comerciantes merecem todo nosso respeito e admiração”, salientou.